20 de set de 2011

Conhecendo, aprendendo e se preparando para a Shantala


Olá, Donas Mocinhas, como vocês estão?

Nós estamos bem, eu em especial tenho me preocupado a "colher mais amoras" com minha bombonzinha..rs. É verdade, depois do post da Michele Mesnik eu tenho refletido muito sobre os momentos e o tempo que eu tenho me dedicado a Emily e ao meu pretinho. 

E pensando em melhorar cada vez mais a relação: mãe x filha, resolvi colocar em prática o conselho que a minha terapeuta constantemente me dá e eu sempre adio: Shantala.

Semana passada (6º feira) eu resolvi tentar, mas foi um tanto quanto bizarro..rs. A Emily não parava, queria sentar, levantar o tempo inteiro, brincar, enfim fracasso. Então resolvi parar e me render as pesquisas, para saber o que eu tinha feito de errado..rs.

Como o assunto é bem detalhado, eu tenho duas opções:
 Resumir o máximo possível o assunto para não ficar um post muito extenso.
 Dividir em mais de um post para que ninguém perca nenhum detalhe importante. [escolhi a 2º opção..rs]

Então vamos lá!!


Shantala



Vamos começar pelos preparativos e benefícios que essa técnica indiana vai proporcionar a nossas pequetuchas(os)



Origem
Um obstetra francês Frédérick Leboyer passeava pelas ruas de Calcutá, na Índia, e viu uma moça paraplégica, que se chamava Shantala, massageando seu filho. Ele ficou encantado com o ritual de harmonia e ternura entre os dois e voltou ao local onde ela estava por vários dias para fotografar a sequência de movimentos. Ao retornar à França, o médico publicou o livro Shantala: Uma Arte Tradicional, Massagem para Bebês (Editora Ground), traduzido para o português em 1976. [achei linda a origem da Shantala]

Quando iniciar?

O bebê pode começar a receber esse toque diferenciado depois do primeiro mês de vida. Isso porque, antes disso, fica difícil encontrar uma brecha entre as trocas de fralda, as mamadas e os longos períodos de sono. Mas para alguns profissionais a técnica já pode ser empregada desde os primeiros dias do recém-nascido.

Embora existam crianças que recebam essa massagem até os 7 anos, o pediatra percebe mais resultados até o primeiro ano de vida. Depois disso, a mãe vai precisar de uma habilidade extra para manter o pequeno quieto – daí, vale apelar para uma chupeta ou algum brinquedo para acalmar a criança será bem-vindo. 


Para que entre na rotina do bebê, o ideal é que a shantala seja praticada diariamente. O horário fica ao nosso critério, desde que eles não estejam: 

- Com sono
- Com fome
- Chorando muito
- Se alimentou/mamou recentemente ois da mamada: é importante esperar pelo menos meia hora depois que o bebê mamou no peito ou uma hora, se ele tomar mamadeira – tudo para evitar que o pequeno regurgite. 

Vale reservar um tempo só para a shantala, de modo que não tenham interrupções e possamos seguir o passo-a-passo da técnica até o fim. Só a interrompa para atender às necessidades do bebê – um xixi, por exemplo. “Se for uma pausa rápida, é possível continuar do ponto onde se parou. Se forem mais de dez minutos, o ideal é recomeçar”.

É melhor suspender a massagem caso o bebê:
- Esteja gripado, com febre ou outro sintoma;
- Durma, deixe a massagem para outro momento; 
- Estiver com a pele sensível ou com brotoejas (especialmente no verão), evite a massagem e o uso de óleo.

Ambiente
Como a criança deve ser massageada sem roupa, cheque se o ambiente está aquecido, com uma temperatura agradável, principalmente no inverno. E aqueça as mãos em água morna antes de tocá-lo.

“A prática deve ser feita em silêncio. Durante todo o tempo, há a conexão entre o olhar do bebê e o olhar da mãe e outra linguagem, sem palavras, se estabelece entre ambos”, Veena Mukti, terapeuta e professora de shantala, de São Paulo.

Toque
O toque é firme, de modo que a mãe sinta a musculatura do bebê, mas a intensidade precisa ser confortável para os dois. O óleo vegetal puro – prefira os de farmácias de manipulação – ajuda a esquentar as mãos e facilita o deslizamento pelo corpo da criança.

Fica a dica
Para as crianças que têm refluxo, é sempre bom colocar uma almofada sobre as pernas da mãe para que a cabecinha não fique tão baixa. Além disso, procure se proteger com uma fralda – afinal, quando o bebê relaxa, o intestino tende a funcionar.

Estado Emocional da Mamãe
O estado emocional de quem aplica a shantala influencia o bem-estar do pequenino. Por isso, em dias tensos, a sugestão é que, antes de pôr as mãos à obra, a mãe tome um banho relaxante, respire fundo e fique em silêncio. 

Originalmente, a shantala era realizada pela mãe, mas, no Brasil, os terapeutas estimulam os pais e as pessoas próximas a também praticar a técnica.
 

E se caso a criança ficar arredia?
Por mais que a mãe se prepare para fazer a shantala em seu filho, pode ser que ele não goste da massagem e até reaja de maneira arredia. É normal se sentir frustrada quando isso acontece e, nesse caso, a melhor opção é ir com calma. Apenas alisar as mãozinhas ou os pezinhos dele pode ser um bom começo, até que o pequeno se acostume com o toque.

Pode acontecer de a ansiedade de querer fazer a massagem perfeita, seguindo todas as técnicas, pode deixá-los nervosos.

A massagem traz benefícios também para as mães, que relaxam juntamente com o pequeno. Mesmo as mulheres que ainda não tiveram seu filho e fazem o curso de shantala com bonecas, à medida que fazem os movimentos, vão se acalmando e se equilibrando. Então, é só aprender a técnica e aproveitar!

Benefícios
Os toques, que abrangem todo o corpo do bebê, trabalham as regiões do corpo: peito, barriga, costas, pernas, braços e rosto. A criança fica mais tranquila e menos chorosa e dá menos trabalho na troca de fraldas e durante as refeições. Além disso, o relaxamento contribui para o alívio das cólicas e garante um sono gostoso.

- A massagem no peito melhora a respiração porque expande a caixa torácica. Os movimentos na barriga auxiliam o funcionamento do intestino e do estômago. A própria posição em que o bebê fica, de costas, estimula a coluna vertebral, e a movimentação de braços, mãos, pernas e pés facilita o desenvolvimento da musculatura e o aprendizado de abrir e fechar, pegar e soltar.

- A shantala ainda traz a consciência corporal. “A criança ganha mais noção de espaço e dos limites do seu corpo, se movimenta melhor. À medida que ela vai crescendo, não cai com facilidade e não esbarra tanto nas coisas enquanto anda de um lado para o outro”.

- A maior abertura no contato com outras pessoas é mais uma vantagem. Já que o pequeno possui esse contato físico de amor com os pais, tende a se tornar mais receptivo ao toque em geral e a ter mais facilidade para se relacionar.

- Um benefício extra é proporcionado para os bebês que nasceram de cesárea. Como não receberam a massagem original, ao passar pelo canal da vagina, eles podem se beneficiar muito dos movimentos da shantala. 

Meninas, depois de ler todos esses cuidados que é necessário, pude perceber que pulei grande parte dos preparativos.rs. Claro que a Emily não ia parar quieta.
E no final ao invés de Shantala virou um momento super especial entre nós, com uma bombonzinha de fraldas. Valeu a tentativa..rs

  

Um beijo enorme no coração de cada uma e até 5º feira, com o passo a passo da massagem Shantala.

Fonte: bebe.com.br


3 comentários:

  1. É mesmo muito legal isso e adorei ver a bonequinha.Está enorme e linda!beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Amiga, eu fiz muito na Maria e conheço bem os resultados...
    Amei o post, testado e aprovado!
    Beijos mil
    ahh corre lá no blog que tem sorteio...

    ResponderExcluir
  3. Eu tb quero fazer na Julia, mas estou esperando ela completar 3 meses e curtir mais, estar mais firminha, vai ser um momento nosso, delicioso !!!

    bjusss

    ResponderExcluir

4 anos de blog? Uau!! Já fui tentante, já estive gravidinha e hoje mamãe da Emily que já está com seus 3 anos. Já fomos Mamãe de Primeira Viagem 2010, já fomos Dona Mocinha. E hoje somos o que VOCÊ preferir.
Seja bem vindo ao nosso mundo de muitos aprendizados e fique a vontade para comentar.
Te aguardamos!!

Os artigos desse blog são de direito reservado.
Sua reprodução, parcial ou total, mesmo citando nossos links, é proibida sem a autorização do autor.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal. – Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais.