26 de set de 2011

Entre o amor e a paciência (ou falta dela?)

Quando a Emily nasceu, ou melhor, vamos voltar um pouquinho mais? Então voltemos....

Quando estava "esperando" a Emily, só conseguia ver um lado da moeda.

Como uma menina sonhadora. Eu me imaginava...(entrem nessa viagem comigo hein?rs)

  • Uma linda grávida e não uma "trakinas" com 20 quilos a mais, pés do tamanho de um pão, nariz aonde não sabia onde começava as bochechas, entre outras características ...kkkk;

  • Com parto lindo, como nos filmes/novelas, com direito a muitos choros: essa parte cumpriu de acordo com o sonho, lindo, muito amor, sem explicação;

  • Um amor indescritível: exatamente como imaginei, e até mais, muito mais;

  • Cuidados: tudo bem que eu não tinha a mínima ideia de como cuidar de um bebê, a não ser vendo cursos/vídeos na internet ou no rápido curso de gestante, mas o ser humano se adapta e logo eu iria aprender no dia a dia.
Mas depois dessa parte, minha imaginação e sonhos pularam algumas partes (eu diria partes muito importantes) e foi direto para aquelas cenas lindas com a família no parque brincando todos, me dei o direito até de uma câmera lenta nas imaginações.

Mas ainda tinha as partes que eu pulei né? "Ploft", pronto Talitinha, já sonhou, já viajou na maionese, mas bora a realidade.

Uma das partes que pulei, foi:

Como "sanar" o choro de uma filha(o)??

Na minha simples imaginação, achava que tudo se resolvia como em uma questão de prova, onde tem as alternativas e a causa do choro seria facilmente resolvida. Escolha uma das alternativas abaixo:

a-)Fome
b-)Fralda suja
c-) Dor (febre, cólica....)

Só que descobri que as vezes me deparo a omitida alternativa:

d-) Nenhuma das alternativas anteriores.

Nós como mães, temos o instinto, sentimos e reconhecemos a necessidade de nossos filhos. Lindas palavras né? Mas não posso mentir para vocês mamães de primeiríssima viagem e algumas mamães podem confirmar isso, não é Donas Mocinhas?.

Tem hora que parece que as pequenas estão em TDD (tensão durante o desenvolvimento - gostaram da minha invenção?hahaha). E quando a TDD chega não adianta dar papinha, leite quentinho, trocar fralda, trocar a roupa, dar banho, "virar de cabeça pra baixo", dar alivium ou tylenol baby ou luftal para dor, colocar em um ambiente tranquilo, se afastar de todas as pessoas (pais, avós, tias, tias-avós, tataravó), dar banho, tentar fazer dormir, brincar, galinha pintadinha, cocoricó, pocoyo. 

Ai começamos a apelar tiramos/colocamos meia (hein?), pois é, o desespero é tão grande nessa altura do campeonato, que começamos a acreditar que uma meia pode ser a solução...hahahaha.

E o choro continua persistentemente, a Emily chora balbuciando "ne-néeeeeeeeeeeeem, ne-néeeeeeem", "mã-mããããã" e por ai vai.

NADA, NADA adianta. Dá até vontade de ligar para a pediatra Dr. Simone Spinelli, mas por mais amorosa que ela seja, ela logo iria me falar "O que você quer minha querida?", então antes mesmo de continuar nessa ideia, já desisto..rs.

Essas situações não acontecem com frequência,  mas acontecem. E vamos parar de hipocrisia, amamos nossas princesas/príncipes, mas existe SIM, aquele momento que a paciência ameaça acabar.

E ai o que fazer?
Foi o que eu perguntei a mim mesma, ontem.

Festa de aniversário do meu sogro (Vovô Carlinhos), a Emily acordou com um excelente humor, trocamos ela no estilo bonequinha. Como ainda estamos sem carro, meu sogro veio nos buscar, chegamos lá e a Emily em continuava no mesmo humor, brincando, colocando o controle da TV no ouvido fingindo falar no telefone e colocar no meu ouvido e no ouvido da vovó Silvia. Chegou a tia-avó Sônia e continuava. Chegou na hora da papinha e continuava o bom humor.

Mas de repente a bonequinha do "excelente humor" acabou e deu lugar a Emily chorona sem causa aparente, choro mesmo e ficou assim até as 19h30 quando entramos no carro pra voltar pra casa. O que eu fiquei sem entender, é que hora ela chorava "com força" e hora ela sorria para as mesmas pessoas que minutos antes ela estava chorando. Entender, pra que?rs. 

Agora imaginem, você escutar choros alternativos das 13h as 19h, sem entender o que causava o choro e o que fazia cessar. Nesse tempo fiz de tudo, ela até dormiu (ufa), mas 40 minutos depois acordou e a jornada continuou. Brincar - chorar (ne-néeeeeeeeem) - sorrir - chorar (mã - mã - mãããã) - brincar - resmungar.

As 19h eu simplesmente não aguentava mais, paciência esgotada. Minha bombonzinha é minha razão de viver, luto dia a dia por ela e por meu pretinho, ela é simplesmente meu tudo, mas que eu já não aguentava mais escutar o choro incessante dela, ah eu não aguentava..rs

E assim, descubro que o outro lado da moeda e que nem tudo é fome ou fralda ou dor. E que a irritação dela pode me irritar, e que é possível a nossa paciência acabar sim. 

E o que fazer quando isso acontecer?
(X) Chorar junto?
(X) Meditar?
(X) Imitar o choro, com o mesmo tom e altura? Para quem sabe ela saber como é irritante escutar o choro incessante...rs.
(X) Correr dias sem olhar pra trás (sugestão da Jane Cardoso..kkkk)
(X) Pedir ajuda aos universitários

No meu caso o universitário foi o pretinho. Tomamos banho (outro e ela ainda resmungou/chorou o banho todo), dessa vez não insisti em querer trocar ela não, deixei para o universitário, que por sua vez trocou, deu mamadeira e finalmente (como eu imaginei o dia inteiro, mas parece que até esse momento chegar foi tudo em câmera lenta) ela dormiu.

Uhuuuuuuuuuuuuuuuu!!!!

Mas agora que está tudo calmo, já me recuperei e já não vejo a hora de amanhã poder curtir o sorriso ainda  banguelo dela, ela cochichando "teta ti" (significado: quieta tia), apertar e morder aquela bundinha preta, ai que saudades..rs.

E vocês me contem tudo e não me escondam nada. O que vocês fazem, quando as coisas se encaminham para fugir do controle ou quando foge de fato do controle?

Uma excelenteee semana para vocês.
Ah, e essa semana tem um presentinho especial para vocês mamães Donas Mocinhas. Aguardem!!
Aniversário da priminha Larissa (bombonzinha com 9 meses)

6 comentários:

  1. Fizemos um post igual, sem querer...kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Hahaha! Adorei...
    É muito bom saber q nem tudo é um Mar de Rosas :)
    Sua filhota está uma Gata ;)

    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Tally, aqui o que ajuda é acalma é levar ela pra andar na rua ( rueira que só, rss). dMas essa tarefa eu deixo pro papai, afinal, não basta ser pai, tem que participar.
    Realmente tem dias que dá vontade de chorar.. Já falei pro meu marido que queria fugir.. ele morreu de rir.
    Mamãe também tem suas limitações.
    beijos em vocês!

    ResponderExcluir
  4. Amiga, muita calma nessa hora...
    Aqui tbm é a mesma coisa...agente se vira em 10, 20, tudo para o bem d elas...
    Beijos nossos!

    ResponderExcluir
  5. Ai,ai,ai.....a Julia ta 2 meses e eu tb passo por isso, mas é pq é tudo novo e as vezes me perco, não sei o que fazer, o que ela quer, e o cansaço e sono que é demais, mas eu me pego e lembro do qt desejei aquele serzinho e tento me equilibrar, dificil heim amiga !!!!

    bjusss na bombonzinha e outro em vc !

    ResponderExcluir
  6. aiaiai ... por aqui eh assim tmb ....
    MAs ai respiro fundoooo e recomeçamos de novo .... o lance eh ter paciencia ...muita paciencia .....
    bjocas na bombonzinha ..tah uma linda....

    ResponderExcluir

4 anos de blog? Uau!! Já fui tentante, já estive gravidinha e hoje mamãe da Emily que já está com seus 3 anos. Já fomos Mamãe de Primeira Viagem 2010, já fomos Dona Mocinha. E hoje somos o que VOCÊ preferir.
Seja bem vindo ao nosso mundo de muitos aprendizados e fique a vontade para comentar.
Te aguardamos!!

Os artigos desse blog são de direito reservado.
Sua reprodução, parcial ou total, mesmo citando nossos links, é proibida sem a autorização do autor.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal. – Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais.