24 de ago de 2011

Trocando de Pediatra


Vocês estão vendo que a fase é de troca total por aqui né?rs. É troca de nome, layout, endereço do blog e também aproveitando a onda de trocas, trocamos de pediatra também.


Opaaa...para tudo #pausa...
Gostaria de agradecer e muito os comentários, as visitas, as participações na pesquisa, enquete, enfim, pela participação de cada uma de vocês. Eu fiquei literalmente surpresa pela aprovação e retorno de vocês, realmente não tem preço.
Agora sim podemos continuar...#despausa

Então, como eu estava falando, trocamos de pediatra. Quando a Emily teve alta do hospital, me informaram que ela estava ótima, com todos os exames em dia e tal. E que não seria necessário passar em consulta com nenhum pediatra naquele mês (dez/10), pois um pediatra do hospital avaliou ela e estava muito bem e que seria necessário somente no mês seguinte..

Maaas...
Devido a vários contratempos, ela foi passar oficialmente em consulta com um pediatra somente entre 2 e 3 meses. Quando sai do hospital, peguei o orientador do convênio e achei o Dr. Carlos Eugênio Angelini, o consultório é próximo a minha casa e tive poucas e boas referências quanto a ele.

E lá fomos nós a 1º consulta com o pediatra, sem saber ao certo o que seria uma boa, excelente ou péssima consulta, até por que,  mamãe de primeira viagem, qualquer coisa que me apresentasse eu pensaria ""Uhuuu excelente consulta"....rs. A menos que machucasse, tratasse mal ou algo do tipo a Emily, caso contrário, nota 10 para a consulta..rs.

E foi examente isso que aconteceu, chegamos lá no horário marcado, sala de espera lotada, demorou para nos atender, "Deve ser uma excelente consulta, aliás ele demora tanto entre uma consulta e outra"...e de fato foi muito boa.

E foi, mediu, pesou, brincou, explicou sobre a probabilidade acontecer o mesmo que comigo com a Emily, se era genética ou não, quais sintomas devemos nos atentar e em que situação deveríamos levar com urgência ao hospital, enfim, muito boa.

  • O bom não era “tão” bom assim...

E o "excelente" atendimento se estendeu somente para os próximos 2 meses. Consulta de 3, 4 e 5 meses da Emily e pronto. 

A consulta de 6 meses o pretinho foi junto pela 1º vez,  e bem nessa consulta o Dr. Carlos quase fez a consulta inteira com nós em pé, se não fosse eu decidir sentar. E mais, fez perguntas que era obrigação dele saber, como "quantos meses a Emily tem?", "que leite ela está tomando?". Poxa, era só ele olhar para o papel e ler, achei hiper estranho. E para o preto a 1º impressão foi péssima né?

Ai começou a minha procura por pediatras, mas como eu não estava certa se era exagero meu ou não, não me esforcei muito na procura.

Consulta marcada com Dr. Carlos dia 08/08 às 8h30. Mesmo acordando bem cedo, mas com toda dificuldade de sair com criança pequena, nos atrasamos e chegamos lá as 8h40 (apenas 10min de atraso), para quem sempre atrasa para nos atender, não teria problemas.

Só tinha uma única mãe lá que passou em consulta de emergência e no nosso horário e , ou seja, mesmo que não tivessemos nos atrasado, também não seríamos atendidos as 8h30.  Ai  vagarosamente foi chegando algumas mães e TODAS foram sendo atendidas na nossa frente, e não ligamos, aliás chegamos 10 minutos atrasados.

Mas já passava de 1h30 que estávamos lá e nada, eu que sou "meia" esquentadinha até que fui paciente, informei a secretária "Não vou mais esperar, estou indo embora. E nem precisa marcar para o mês que vem".

Resumindo: carro emprestado (pois o nosso está no concerto após uma batida), Emily no frio, para não passar em consulta nenhuma.


Cheguei em casa e entrei no facebook para falar com a Vanessa Zuppa, Thania El Adas, Valquiria que tinham mencionado sobre uma pediatra muito boa.

E, finalmente uma semana depois (15/08) conhecemos a excelente..

  • Dra. Simone Spnelli Milani 
Agora sim, fomos a uma consulta, já tendo base de como é uma "boa" consulta pediátrica. E mesmo assim, nos surpreendemos.

A consulta foi muito além de boa, foi exceleeente. Mesmo que um dia a Dra. Simone não esteja muito bem, mesmo que faça uma consulta "meia boca",  ela colocaria muitos médicos no chinelo..rs.

Foi super clara em todas as explicações, conversou bastante (eu que falo mais do que homem da cobra, nem gostei né?rs), esbanja carinho, cuidado, atenção com cada detalhe com os pequeninos, de uma delicadeza única com a Emily e por ai vai...(chega de elogios senão quando ela ler esse post ela vai se sentir. Siim, ela soube da minha história e pediu o endereço do blog para entrar..que tudo não?rs). E deu o número do celular dela, caso fosse preciso ligar, coisa inexistente com o pediatra anterior. Adorei!!

Obrigada meninas, pela dica!!

Dicas da Nova Pediatra

Entre uma dica mais interessante que a outra que ela deu, adorei duas...
  • Pomada de Assadura: no lugar dessas "Hipoglós" da vida, que eu particularmente não gosto e não uso nenhuma delas, ela falou que dependendo da quantidade que se usa das pomadas, pode atrapalhar a permeabilidade da pele. E deu a dica: usar "Dersani" ao invés das pomadas de assadura, disse que 3 gotinhas é o suficiente, encontrei na Ultrafarma  por R$ 19,00 (50 ml). Estou usando e estou adorando.
  •  Alimentação (líquido para o sólido): falei logo a verdade que as vezes dou um pedacinho de carne pra Emily. Ela ao saber disso e que a Emily não engasga, falou que podemos pegar propriamente arroz, feijão, dar bem amassadinho, com pedacinhos de carne. Disse ela, que mesmo sem dentes, as crianças já "mastigam", o que estimula o nascimento dos dentinhos (adorei). 
 Cheguei em casa toda empolgada, imaginem né? "Hora de aposentar as sopinhas líquidas e dar arroz e feijão amassadinho". Mas poxa vida, de um grão ou outro, para vários grãozinhos dentro da boca? A Emily estranhou muito e foi cuspindo todos os pequenos grãozinho e com uma careta terrível..kkkk

Tentamos só batata amassada com caldo de feijão, mas nada de dar certo. 
Resultado: retornamos a sopinha, mas agora bem mais grossinha que antes e com pequenos pedacinhos. E ela adorou...

  •  Descoberta da Semana - Mixer Elétrico
Quando casei, ganhei um. Mas até essa semana eu não sabia que utilidade eu poderia ter nele, aliás tem o liquidificador que também tritura. 
E nessa semana nos encontramos e nos apaixonamos..rs. Coloquei os legumes cozidos em um recipiente e bora usar o mixer, e não é que deu certo? E a Emily adorou. Depois soube que algumas mães usam ele para a mesma finalidade, olha só elas guardando o segredo..rs...

  •  Dica Semanal da Dona Mocinha:

"Como escolher o pediatra do seu filho?"

 
Quem vai cuidar da saúde do seu filho? Essa é uma dúvida que pode ser esclarecida antes mesmo da criança nascer. Você pode visitar alguns médicos simplesmente para bater um papo e ter uma ideia de como será o futuro. Não que seja obrigatório, mas essa atitude pode ajudar a formar um vínculo de confiança entre vocês. No entanto, você vai saber se a escolha que fez foi a mais correta somente quando as consultas começarem. Abaixo, confira 10 dicas que vão te ajudar na escolha do profissional.
1- Empatia 
Tem de acontecer na primeira consulta. Significa sentir que o médico entra em sintonia com você no seu novo papel de mãe. Um sinal negativo é ele se fixar apenas em perguntas sobre o histórico de doenças na família e no exame do bebê. Um positivo é ele também querer saber da sua gravidez, do parto, sobre o ambiente em que vive o bebê, os primeiros dias com ele em casa e como anda a amamentação.




2- Tempo da consulta A primeira costuma ser mais demorada que as demais, mas o importante é o pediatra sempre demonstrar interesse pela criança. Não só quanto ao aspecto clínico. Como regra, lembre-se de que uma consulta de qualidade leva tempo para ser feita. O bom médico situa a mãe sobre a fase do desenvolvimento em que está o bebê e antecipa futuros comportamentos.


3- Disponibilidade Poder encontrar o médico a qualquer hora e em qualquer lugar com certeza deixa os pais mais tranqüilos, mas é preciso contar com o imprevisto – seu pediatra deve ter um profissional de confiança para substituí-lo se for necessário.

4- Rapidez no retorno Ela reflete a atenção do médico com o paciente e é importantíssima em uma situação de emergência. Só que nem sempre é possível ter um retorno imediato. Uma boa política para você se entender com o pediatra nessa questão é deixar recados claros e objetivos para que ele avalie a urgência do caso. 

5- Atrasos na consulta Não pode ser regra nem por sua parte nem pelo médico, porque o tempo de tolerância de espera da criança é pequeno. Para evitar transtornos, o ideal é você e o pediatra avisarem um ao outro de atrasos e, se preciso, desmarcarem a consulta.

6- Sem dúvidas 
Não dá para ir embora do consultório sem entender tudo direitinho. Você pode – e deve – perguntar até se sentir esclarecida. Não tenha medo de pedir explicações. Um profissional impaciente não é o melhor parceiro nesse caso. Nem aquele que se mostra ofendido se você anuncia que prefere ter uma segunda opinião em determinada situação.

7- Segurança Alguns pais questionam se é melhor o pediatra ter filhos, por achar que seus anseios serão mais bem compreendidos. Outros têm receio do médico jovem, com pouca experiência, ou do muito idoso, pelo risco de não ser atualizado. A indicação de amigos ajuda a tirar essas dúvidas, mas o importante é você se sentir segura.

8- Consultório Na sala de espera do médico é importante ter brinquedos. Primeiro para distrair a criança, depois porque o profissional pode usar os brinquedos para observar como ela se comporta.

9- Você acertou 
Se seu filho está saudável, vai bem na escola e em casa, esse é um bom indício de que ele está com o médico certo.

10- Insegura com a escolha?
Se você ainda tem dúvidas sobre o pediatra escolhido, não se preocupe. Mudar de médico é normal e não traz nenhum prejuízo para a saúde do seu filho. Procure o quanto for preciso, converse com outros profissionais e peça mais indicação.

Consultoria: pediatra Jayme Murahovschi, presidente do departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria, e pediatra Sandra de Oliveira Campos, professora do departamento de Pediatria da Universidade Federal de São Paulo.
Fonte: Revista Crescer




 


Beijinhos a todas donas mocinhas!!!

Comentários
0 Comentários

0 Comentários:

Postar um comentário

4 anos de blog? Uau!! Já fui tentante, já estive gravidinha e hoje mamãe da Emily que já está com seus 3 anos. Já fomos Mamãe de Primeira Viagem 2010, já fomos Dona Mocinha. E hoje somos o que VOCÊ preferir.
Seja bem vindo ao nosso mundo de muitos aprendizados e fique a vontade para comentar.
Te aguardamos!!

Os artigos desse blog são de direito reservado.
Sua reprodução, parcial ou total, mesmo citando nossos links, é proibida sem a autorização do autor.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal. – Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais.